segunda-feira, 7 de abril de 2014

A doce criatura

A doce criatura no vestido azul
Leve, doce, etérea
Inalcançável para qualquer um
Nascida para a perfeição
A amável criatura flutuava pela vida
Seu vestido azul esvoaçante
Dançava naquele corpo que não tocava o chão
Certo dia, porém
Caiu a criatura
Sua doçura e candura angelicais
Tiveram o mesmo destino voraz
Não só de azul e branco ela vivia agora
Conheceu o carmesim, se desvencilhou da paz
A doce criatura no vestido azul
Leve, doce, etérea
Experimentou a dor e a
Sangria desatada.
Sua adorada vida de nuvem
D'um dia pro outro virou tempestade
Não mais leve, doce, etérea
A (não tão doce) criatura no vestido azul
Viu que era carne, tateou a realidade
Viu que a perfeição não existe no chão
E que a imperfeição, esta sim, fazia-lhe gente.
Não mais quis ser 
Leve, doce, etérea,
Mas densa, agridoce e terrena.

quinta-feira, 3 de abril de 2014

Pensar no futuro

Pensar no futuro, quem nunca?
É muito importante.. Afinal, um dia você precisa fazer alguma coisa, se sustentar e tudo mais. Um dia a gente vira adulto e a mordomia acaba, rs.
Cada um faz o que pode... Uns com muito planejamento e disciplina. Outros como Zeca Pagodinho disse na canção "deixa a vida me levar, vida leva eu"! Rsrsrs
Para os mais ansiosos, ansiosíssimos como eu, nem sempre pensar no futuro é tão bom assim.
Claaaaaaaaaro que deve se pensar, lógico... Mas, sem sofrer antecipadamente e vivendo um dia de cada vez, dentro das possibilidades.
Gente, ser extremamente ansioso só gera desgaste emocional e decepção.
Faça seu planejamento... viva um dia por vez.. mas não se perca em devaneios de como será a sua vida daqui 5 ou 10 anos... sério, furada!
Furada porque a maioria das pessoas muito ansiosas não são muito positivas, e acabam imaginando coisas ruins! Pior, não só imaginando coisas ruins, como sofrendo por elas! Trazem uma dor que nem existe, que possivelmente nem existirá, para o presente. E isso FERRA com o emocional da pessoa.
Se eu pudesse dar um conselho... seria esse.. Viver um dia de cada vez.

Se as flores e folhas soubessem o que o outono lhes traria, não embelezariam nossos dias com suas cores e formas, pois, ao vislumbrar a seca da estação, perderiam o brilho, se sentindo desde já inúteis, quando na verdade, não o são.